Valores

Prevenção de Acidentes


Acidentes de trânsito são a principal causa de mortalidade infantil. As estatísticas oferecem alguns números chocantes. Nos últimos anos, as crianças espanholas sofreram quase meio milhão de acidentes, alguns deles com consequências fatais. A situação fica mais alerta, se levarmos em conta que muitas delas poderiam ter sido perfeitamente evitadas. De acordo com Associação Espanhola de PediatriaEntre 1998 e 2006, mais de 1.300 crianças perderam a vida em acidentes de trânsito. Em 2008, segundo dados do Direção geral do tráfego(DGT), 84 crianças menores de 14 anos perderam a vida na estrada, 591 ficaram gravemente feridos e 4.717 sofreram ferimentos leves.

Em 2009, segundo dados da DGT, o maior número de óbitos entre 0 e 14 anos ocorreu na Espanha, quando crianças eram passageiros de veículos. No entanto, em 2010, segundo dados gerais da Direção Geral de Trânsito, foram registradas 1.730 mortes, das quais 3% eram menores de 14 anos. Isso representa uma redução de 9,1% nas mortes e 44% menos mortes registradas entre aqueles com menos de 14 anos de idade. A evolução da segurança rodoviária infantil durante os últimos vinte anos (1990-2009) em Espanha é animadora, pois pela primeira vez o número de crianças (0-14 anos) que morreram em acidentes de trânsito diminuiu, em concreto, 80% menos.

Um dos fatores que desencadeou essa queda é o uso de cadeirinhas no carro. Mesmo assim, ainda é alarmante o número de crianças que não utilizam os sistemas de segurança necessários para sua proteção no automóvel. Não é de surpreender que ainda haja um número alarmante sobre o número de crianças que ainda viajam sem as medidas de segurança necessárias.

1- Acidentes de trânsito
Incidentes que resultam em maior mortalidade infantil, são acidentes de trânsito, resultantes de atropelamentos ou colisões. A cada quatro dias, uma criança perde a vida em um acidente de trânsito. A Associação Espanhola de Pediatria aponta a morte na estrada como a principal causa de mortalidade em crianças de 4 anos, a segunda em menores de 2 anos e a quarta em bebês de 1 ano.

2- Asfixia ou asfixia da criança
Segue-se a sufocação, seja debaixo d'água ou causada por vários objetos (pequenos itens que são engolidos, sacolas plásticas, cordões no pescoço).

3- Quedas de crianças
O terceiro lugar na classificação trágica é ocupado por quedas, principalmente de janelas ou terraços desprotegidos, bem como de árvores. Em termos de frequência, os inimigos mais frequentes das crianças são as quedas, que provocam 40% dos acidentes. Seguidos de perto estão os envenenamentos, especialmente aqueles derivados de produtos de limpeza e medicamentos. Essa perspectiva sombria pode ser menos deprimente se algumas medidas de segurança forem postas em prática.

As estatísticas também mostram que é nos lares onde meninos e meninas de até 4 anos sofrem mais acidentes. Os mais frequentes são quedas, golpes, cortes, queimaduras e afogamentos. Hoje, as crianças crescem cercadas por fontes de perigo que não existiam há algumas décadas e muitas vezes passam muito tempo sozinhas ou com pouca vigilância. A partir dos 4 anos, meninos e meninas sofrem a maioria dos acidentes na rua ou na escola. Eles geralmente ocorrem durante jogos, esportes e no trânsito. Porém, a grande maioria dos acidentes infantis pode ser evitada. Pais e educadores têm um papel fundamental nisso.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Prevenção de Acidentes, na categoria de acidentes infantis em obra.


Vídeo: Acidentes na Primeira Infância - Observatório da Primeira Infância (Outubro 2021).